segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

"Terás, pois, o sacerdote por santo, porque ele oferece o pão de teu Deus: ele será santo para ti, porque eu, o Senhor que vos santifico, sou santo." (Lv 21,8)
"Neste mundo é impossível uma dignidade maior que a do sacerdote. São ungidos meus: meus cristos. Não toqueis nos meus cristos.
Nem os anjos possuem dignidade igual a esta concedida aos homens, na pessoa dos sacerdotes.
Em virtude do sangue por eles ministrado, toda reverência feita a eles, na realidade não atinge a eles, mas a Mim.
Afirmo-te que devem ser respeitados pela autoridade que Eu lhes dei, e por isso mesmo não podem ser ofendidos.
Somente Eu devo puni-los, não outros.
A veneração pelos sacerdotes não pode cessar; se tal coisa acontecer, sinto-Me ofendido."
(Santa Catarina de Sena, Doutora da Igreja) 
No entanto,
"Como os que recebem as ordens sacras são colocados acima do povo, acima devem eles estar acima pelo mérito da santidade." (Santo Tomás de Aquino)

Você conhece um padre santo? E um padre defeituoso? Todos conhecemos, das duas espécies.
Os sacerdotes precisam muito de nossa ajuda, porque precisamos muito deles. O mundo precisa deles. 
O meio ordinário de ajudá-los é pela oração. Rezemos muito pelos padres e por novas vocações. "Dai-nos, Senhor, santos pastores e dignos ministros!"
Outro meio de ajudar é concretamente, nas suas dificuldades.
Você conhece um padre que precisa melhorar? Como chegar em um padre e acusar-lhe um defeito? Muito difícil, não é?
Nós podemos ajudar. 
Indique-nos esses padres. Escreveremos para eles, e daremos o subsídio para que possam melhorar.

Campanha nº 1: Homilia

Nesta campanha, queremos focalizar no problema das homilias. Como dizer ao padre que sua homilia não é boa? Nós lhe enviaremos o melhor livro sobre pregação, juntamente com uma carta, indicando respeitosamente que está sendo presenteado por alguém que lhe quer bem, e que quer ver-lhe salvando mais almas através da homilia.

Como funciona

  • Você, benfeitor, indica-nos quantos padres quiser ajudar, preenchendo o formulário abaixo com os dados de cada padre. É importante informar os dados corretos, nome e endereço completo, pois o material será enviado pelos Correios. Portanto, é melhor que indique aqueles que de fato conhece e tem a confirmação do endereço para envio, para evitar desperdício dos recursos da campanha.
  • Você, benfeitor, também pode financiar a campanha, doando o valor correspondente ao custo do material enviado. A Editora está fornecendo o material a preço de custo e pagando o serviço de Correios, além da mão de obra. Portanto, não se trata de uma venda, e precisamos sim de sua ajuda.
Se você tem algum padre para indicar, mas não pode agora contribuir com o material, indique assim mesmo. Outro benfeitor pode doar o material necessário para vários padres.
Os doadores receberão, para acompanhamento e orações, o nome do beneficiado e o código de rastreamento do envio, para certificar-se de que o material foi realmente entregue. Os que indicaram também receberão a informação de que os seu(s) indicado(s) foi beneficiado.

Valor da campanha: 1 livro "A arte da pregação sagrada" (a preço de custo): R$11,00 + Correios: R$5,90 + outros: R$0,10 = TOTAL: R$17,00

Contamos com sua generosidade, se puder financiar o valor de múltiplas campanhas (R$34,00, R$51,00, R$68,00...), tendo em vista que muitas pessoas indicarão muitos padres. Clique no botão de doação e preencha com o valor a ser doado:
Ao clicar no botão ao lado, você será redirecionado à página do PagSeguro, onde poderá fazer sua doação com segurança através de cartões ou boleto. Os dados solicitados no pagamento não serão utilizados na campanha. Preencha o formulário abaixo para indicar o beneficiado.

O envio respeitará a ordem de indicações, portanto, mesmo que você faça uma doação e indique um padre, não significa que o material de sua doação irá para o seu indicado. E também, se o número de indicados for maior que o número de doações, talvez os últimos indicados não possam ser beneficiados, por falta de recursos.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Em Dezembro/2014 disseram que o Papa disse que os cachorros vão para o céu. Comentamos aqui, junto a outras 7 lendas criadas pela mídia secular.
Agora em Janeiro/2015 disseram que o Papa disse que os católicos não podem se reproduzir como coelhos.
E que teria aconselhado os casais a ter "até 3 filhos".




O que ele disse foi o seguinte, com grifos nossos:

(Cristoph Schmidt, pelo grupo alemão): [...] A minha pergunta: O Santo Padre falou da multidão de crianças nas Filipinas, da sua alegria por haver assim tantas crianças. Mas, segundo as sondagens, a maioria dos filipinos pensa que o enorme crescimento da população filipina é uma das razões mais importantes para a pobreza imensa do país, já que, em média, uma mulher, nas Filipinas, dá à luz mais de três filhos na sua vida, e a posição católica relativamente à contracepção parece ser uma das poucas questões em que um grande número de pessoas nas Filipinas não está de acordo com a Igreja. Que pensa disto?
(Papa Francisco): Creio que o número de três por família, mencionado pelo senhor, seja importante – de acordo com o que dizem os peritos para manter a população. Três por casal. Quando se desce abaixo deste nível, acontece o outro extremo, como, por exemplo, na Itália onde ouvi dizer (não sei se é verdade) que, em 2024, não haverá dinheiro para pagar aos reformados. A diminuição da população. Por isso a palavra-chave para responder é esta expressão que usa sempre a Igreja, e eu também: «paternidade responsável». Como se consegue isto? Com o diálogo. Cada pessoa, com o seu pastor, deve procurar o modo como fazer esta paternidade responsável. Aquele exemplo, que mencionei há pouco, de uma mulher que esperava o oitavo filho e tinha sete com partos cesáreos: isto é uma irresponsabilidade. «Não! Eu confio em Deus». «Mas atenção! Deus dá-te os meios; sê responsável». Crêem alguns – desculpem a frase – que, para ser bons católicos, devem ser como coelhos. Não. Paternidade responsável. Isto é claro e por isso, na Igreja, há os movimentos matrimoniais, há os especialistas no assunto, há os pastores, e investiga-se. Eu conheço muitas e muitas soluções lícitas, que serviram de ajuda para o efeito. Mas fez bem em mo dizer. Há ainda outra coisa curiosa, que é diversa mas está relacionada com isto. Para as pessoas mais pobres, um filho é um tesouro. É verdade que aqui se deve ser prudente. Mas, para eles, um filho é um tesouro. Deus sabe como ajudá-los. Talvez alguns não sejam prudentes nisto, é verdade. Paternidade responsável. Mas é preciso também ver a generosidade daquele pai e daquela mãe que vêem em cada criança um tesouro. (Vatican.va)

 No dia seguinte, o Papa complementou a resposta, talvez depois de ver a repercussão:
Dá consolação e esperança ver tantas famílias numerosas que acolhem os filhos como um verdadeiro dom de Deus. Eles sabem que cada filho é uma bênção. Ouvi dizer que as famílias com muitos filhos e o nascimento de tantas crianças estão entre as causas da pobreza. Parece-me uma opinião simplista. Posso dizer que a causa principal da pobreza é um sistema econômico que tirou a pessoa do centro e aí colocou o deus dinheiro; um sistema econômico que exclui e que cria a cultura do descartável em que vivemos.”
Fonte: News.Va (mídia oficial do Vaticano)
- See more at: http://ocatequista.com.br/#sthash.LAmKPurT.dpuf

Dá consolação e esperança ver tantas famílias numerosas que acolhem os filhos como um verdadeiro dom de Deus. Eles sabem que cada filho é uma bênção. Ouvi dizer que as famílias com muitos filhos e o nascimento de tantas crianças estão entre as causas da pobreza. Parece-me uma opinião simplista. Posso dizer que a causa principal da pobreza é um sistema económico que tirou a pessoa do centro e aí colocou o deus dinheiro; um sistema económico que exclui e que cria a cultura do descartável em que vivemos.(News.va)
TRETA 1: O Papa Francisco NÃO DISSE que famílias devem ter no máximo três filhos.
Não! Ele estava respondendo à sugestão do jornalista que sugeriu que as mulheres das Filipinas têm filhos demais, e que muitos pensam que isso seria uma das causas da pobreza no país. O Papa então argumentou que essa é a média necessária para que a população cresça, evitando a quebra da Previdência e da economia do país. ATENÇÃO, FOI APENAS UM COMENTÁRIO SOBRE UM DADO TÉCNICO, não uma sugestão de um número ideal de filhos para que cada casal católico!
TRETA 2: O Papa Francisco NÃO DISSE que os os casais podem usar métodos anticoncepcionais.
Não! O Papa citou que há muitas “soluções lícitas”, e assim certamente ele se refere aos métodos naturais para espaçar a vinda dos filhos em caso de grave necessidade, como o Método Billings (para saber mais sobre esse método, acesse a página Fertilidade Inteligente).
TRETA 3: O Papa Francisco NÃO DISSE que os católicos não devem ter muitos filhos.
Não! O que o Papa disse é que para ser um bom católico não é preciso, necessariamente, ter muitos filhos. E também é preciso exercer uma “paternidade responsável”.
- See more at: http://ocatequista.com.br/#sthash.LAmKPurT.dpuf
 Então,
  1. O Papa NÃO disse para as famílias terem até três filhos.
  2. O Papa NÃO disse que os casais podem usar métodos anticoncepcionais.
  3. O Papa NÃO disse que os casais não devem ter muitos filhos.
A propósito, ver nosso artigo:

Planejamento familiar, controle de natalidade ou paternidade responsável?

Dá consolação e esperança ver tantas famílias numerosas que acolhem os filhos como um verdadeiro dom de Deus. Eles sabem que cada filho é uma bênção. Ouvi dizer que as famílias com muitos filhos e o nascimento de tantas crianças estão entre as causas da pobreza. Parece-me uma opinião simplista. Posso dizer que a causa principal da pobreza é um sistema econômico que tirou a pessoa do centro e aí colocou o deus dinheiro; um sistema econômico que exclui e que cria a cultura do descartável em que vivemos.”
Fonte: News.Va (mídia oficial do Vaticano)
- See more at: http://ocatequista.com.br/#sthash.LAmKPurT.dpuf
Dá consolação e esperança ver tantas famílias numerosas que acolhem os filhos como um verdadeiro dom de Deus. Eles sabem que cada filho é uma bênção. Ouvi dizer que as famílias com muitos filhos e o nascimento de tantas crianças estão entre as causas da pobreza. Parece-me uma opinião simplista. Posso dizer que a causa principal da pobreza é um sistema econômico que tirou a pessoa do centro e aí colocou o deus dinheiro; um sistema econômico que exclui e que cria a cultura do descartável em que vivemos.”
Fonte: News.Va (mídia oficial do Vaticano)
- See more at: http://ocatequista.com.br/#sthash.LAmKPurT.dpuf
Related Posts