quarta-feira, 31 de dezembro de 2014


Feliz 2015!

São os votos de

Martyria Cursos e Editora
www.martyria.com.br
www.cursoscatolicos.com.br

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Por causa de nossa fraqueza, Cristo se fez pequeno para aqueles que não podiam atingi-lo e cobriu com o véu do corpo o esplendor de sua majestade que os olhos dos homens não poderiam suportar.

(São Leão Magno)

http://loja.cursoscatolicos.com.br/

Desejamos a todos os leitores, clientes, alunos, amigos e seus familiares, um Santo e Feliz Natal, sob a poderosa intercessão da Santa Mãe do Verbo Encarnado.


Martyria Cursos e Editora

www.cursoscatolicos.com.br

www.martyria.com.br

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Em 15 de dezembro, em discurso, o Santo Padre chegou a dizer que "os pecados da mídia são desinformação, calúnia e difamação". Isso muito se aplica às interpretações feitas pela mídia secular, que tentam aproveitar das palavras e atitudes do Papa em favor das suas ideologias.

http://loja.cursoscatolicos.com.br/

2014: como a mídia mal-interpretou o papa Francisco ao longo do ano


Por

Sabemos tanta coisa sobre o papa Francisco... e tão poucas delas são verdadeiras!

2014 foi um ano em que os meios de comunicação capricharam nos mal-entendidos sobre o papa. Vamos rever alguns deles.

Janeiro: Um papa Rolling Stone?

A reportagem de capa sobre o papa Francisco na edição de janeiro da revista “Rolling Stone” foi um espetáculo de mau jornalismo.  O comentarista Damon Linker, da revista “The Week”, listou nada menos que nove afirmações ridículas que tinham aparecido na reportagem da “Rolling Stone” como se fossem coisas sérias.

Fevereiro: A comunhão e o cardeal Kasper

No consistório de cardeais realizado em fevereiro, o cardeal Walter Kasper propôs alguns argumentos sobre a possibilidade de que os católicos divorciados e recasados (sem a anulação do matrimônio anterior) pudessem comungar. O mito de que Francisco fosse defensor dessa ideia foi crescendo ao longo do ano, culminando no sínodo de outubro, sobre a família.
Era um mito desnecessário, que o próprio papa desmanchou mais de uma vez. Em agosto, por exemplo, ele declarou: "Quanto à comunhão para as pessoas que estão no segundo casamento, não existe nenhum problema. Se eles estão num segundo casamento, eles não podem comungar".

Muito importante foi também o documento de preparação da Igreja para o sínodo, que reiterou a doutrina sobre os divorciados que se casaram novamente sem terem obtido a anulação matrimonial: o texto deixa claro que a Igreja não pretende mudar a regra, e sim encontrar maneiras mais acolhedoras de reforçar o cumprimento da regra.
O Sacramento do Matrimônio: sinal da união entre Cristo e a Igreja


Março: o encontro com Obama

O papa Francisco e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se encontraram pela primeira vez e os católicos norte-americanos ficaram desapontados ao ouvirem dizer que o papa não falaria sobre a liberdade religiosa nem sobre o direito a vida, e sim sobre temas em que as duas partes estavam de acordo. As questões polêmicas, portanto, "não seriam tratadas na conversa". Ao menos foi isso o que a mídia divulgou.

No entanto, o Vaticano tinha uma visão muito diferente sobre a reunião: o direito à vida e à liberdade religiosa foi, sim, uma parte muito importante da conversa entre os dois líderes.

Junho: Um papa sincretista?

Um e-mail viral, que já foi reconhecido como falso, espalhou pela internet o boato de que o papa Francisco é sincretista, ou seja, que ele consideraria todas as religiões como igualmente verdadeiras. Quando ele propôs uma oração multi-religiosa pela paz na Terra Santa, a ser feita em pleno Vaticano na data de 8 de junho, os críticos se deram o direito de interpretar que aquele viral estava sendo confirmado como verdadeiro.

Mas, como esclareceu o pe. Dwight Longenecker, o que o Vaticano tinha organizado era um encontro de oração conjunta pela paz entre delegações de Israel e da Palestina. A delegação israelense trazia tanto judeus quanto muçulmanos, e a delegação palestina trazia tanto muçulmanos quanto cristãos. Cada fé religiosa fez a sua prece, em momentos separados, cada uma segundo a própria tradição. E nada disso aconteceu dentro da Basílica de São Pedro, e sim nos Jardins do Vaticano.

A acusação de "sincretismo" reapareceria em novembro, quando o papa Francisco orou na Mesquita Azul, em Istambul. A assessoria de imprensa do Vaticano tranquilizou os críticos mais preocupados: Francisco rezou a mesma prece que Bento XVI tinha rezado no mesmo lugar e da mesma forma.

Salve Roma! A Igreja que Deus fundou



Começo de outubro: a tempestade do sínodo da família

A mídia fez um imenso alarde quando o sínodo extraordinário sobre a família divulgou um relatório preliminar. A frase fatídica foi uma pergunta relacionada às pessoas que sentem atração pelo mesmo sexo: "Será que as nossas comunidades são capazes de aceitar e valorizar a orientação sexual delas [das pessoas homossexuais, ndr] sem comprometer a doutrina católica sobre a família e o matrimônio?".
"Valorizar a orientação sexual delas" foi a frase que ocasionou o barulho. A Igreja nos ensina há muito tempo a valorizar as pessoas homossexuais. Mas valorizar a orientação homossexual como tal? Isso não é incoerente com os outros ensinamentos do catecismo sobre a homossexualidade?

Não demorou muito para que o problema fosse explicado: o documento recomendava "avaliar" a orientação homossexual, em vez de "valorizar", como tinha sido mal traduzido em vários idiomas.
O papa Francisco, um mês depois, orou por "todos os que procuram apoiar e fortalecer a união do homem e da mulher no casamento como um bem original, natural, fundamental e belo para as pessoas, para as comunidades e para as sociedades inteiras".

Final de outubro: Um papa darwinista?

Em 27 de outubro, o papa Francisco fez um discurso para a Academia de Ciências e disse que "a evolução na natureza não se opõe à noção da criação"; e acrescentou, com seu estilo típico, que Deus não é um "mágico" que cria com uma "varinha de condão", mas que Ele "criou os seres e os deixou desenvolver-se de acordo com as leis internas que tinha dado a cada um para que atingissem a sua plenitude".

A mídia fez mais um dos seus alardes e deu a entender que o papa tinha finalmente admitido a teoria da evolução, quando, na realidade, o papa Pio XII já tinha dito a mesma coisa, meio século antes, na “Humani Generis” (cf. nº 36). O catecismo também diz o mesmo em seu número 283.

Novembro: O "rebaixamento" do cardeal Burke

O anúncio tão esperado chegou em 8 de novembro: o cardeal norte-americano Raymond Burke deixaria o seu posto no Vaticano como prefeito da Assinatura Apostólica, a "Suprema Corte" da Santa Sé, para assumir o cargo de patrono da Ordem de Malta. "O papa Francisco rebaixa o conservador cardeal norte-americano", publicou a agência Reuters.

A notícia preocupou parte dos católicos que apreciam a clareza com que o cardeal Burke se pronuncia diante das questões polêmicas: eles acharam que o papa Francisco estava dando uma espécie de “demonstração de mão de ferro”.

Mas ninguém precisa se preocupar. Na verdade, Burke foi o cardeal que durante mais tempo ocupou o cargo de prefeito da Assinatura Apostólica nos últimos 37 anos. E, como vários observadores do Vaticano destacaram, se o papa Francisco estivesse mesmo querendo se livrar das pessoas de opinião firme, por que não afastava também o cardeal George Pell? E, se ele quisesse silenciar o cardeal Burke, por que o colocava numa posição que lhe dava ainda mais liberdade para se pronunciar com a sua habitual franqueza?

Numa entrevista recente, o próprio papa Francisco esclareceu ainda melhor o mal-entendido: ele disse que tomou a decisão de colocar Burke à frente da Ordem de Malta com a aprovação do próprio cardeal e desde bem antes do sínodo, mas o manteve em seu cargo anterior durante mais tempo para que ele pudesse se envolver no sínodo da família.

Dezembro: os cachorros vão para o céu!

A notícia foi primeira página do “New York Times”: o papa Francisco teria mudado a teologia conservadora que negava aos bichos um lugar no paraíso! "Papa Francisco diz que os cães podem ir para o céu", declarava um artigo do popular jornal norte-americano “USA Today”, compartilhado por milhares de pessoas no Facebook.

O caso é que os sites, jornais, revistas e emissoras de rádio e TV tinham apenas deturpado uma frase dita em 1978 pelo papa Paulo VI...

A mídia, em resumo, tem projetado no papa Francisco os seus próprios desejos, entendendo errado quase tudo o que ele diz de fato.

O melhor crítico desses “mal-entendidos papais”, no fim, é o próprio papa Francisco. "Eu não gosto das interpretações ideológicas, de certa ‘mitologia sobre o papa Francisco’", declarou ele numa entrevista concedida um ano após o início do seu pontificado. "Representar o papa como uma espécie de super-homem, um tipo de astro, me parece uma coisa ofensiva. O papa é um homem que ri, que chora, que dorme serenamente e que tem amigos, como todos. É uma pessoa normal".

De fato, ele é. 

A hora da morte

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

As obras de Cassiano vêm despertando um crescente interesse em nossa época. Mestre por excelência dos caminhos ascéticos e místicos, oferece em sua doutrina um manancial que jorra para a vida eterna. No Egito (380-400), Cassiano e Germano visitam cenobitas e anacoretas. Suas conversas com um determinado "ancião" são colocadas por escrito, em forma de diálogo, denominadas Conferências. Escritas em latim fluente, contribuíram para a propagação do monaquismo cristão no Ocidente. Os grandes fundadores, São Bento, São Domingos, São Bernardo, Santa Teresa de Ávila, inspiraram-se em seus escritos e recomendaram sua leitura.

As Edições Subiaco, especializada em espiritualidade monástica e beneditina, apresenta aos leitores essas Conferências em três volumes, traduzidas do latim, trazendo até nós a experiência dos Pais do Deserto; eles indicam o rumo certo para a realização da vocação de todo ser humano: a comunhão com Deus.

Pelos títulos das Conferências se pode perceber a grandiosidade e utilidade da obra:

http://loja.cursoscatolicos.com.br/conferencias1
Volume I:
I - Do escopo e do fim do monge
II - Da discrição
III - As três renúncias
IV - Os desejos da carne e os do espírito
V - Os oito vícios principais
VI - A morte dos santos
VII - A mobilidade da alma e dos espíritos malignos.





http://loja.cursoscatolicos.com.br/conferencias2
Volume II:
VIII - Os principados
IX - A oração
X - A oração
XI - A perfeição
XII - A castidade
XIII - A proteção de Deus
XIV - A ciência espiritual
XV - Os carismas divinos




http://loja.cursoscatolicos.com.br/conferencias3
Volume III:
XVI - Da amizade
XVII - Das decisões definitivas
XVIII - Das espécies de monges
XIX - Finalidades do cenobita e do eremita
XX - da finalidade da penitência e do sinal de satisfação
XXI - Do repouso de Pentecostes
XXII - Das ilusões da noite
XXIII - Da impecabilidade
XXIV - Da mortificação

Consta também de Mapas (Vida de Cassiano, O Egito no tempo de Cassiano) e Índices (das Conferências, Escrituístico, dos nomes próprios, Analítico dos temas, dos autores citados).

Adquira com exclusividade em nossa loja pelos links: 
Vol. I (Conferências 1 a 7); Vol. II (Conferências 8 a 15); Vol. III (Conferências 16 a 24)



Related Posts